Para brilhar no Natal e também no ano todo

Como já dise aqui, potes de vidro nunca vão por lixo na nossa casa. E eu gosto especialmente dos potes de champignons, porque eles não têm rosca, então são ainda mais bacanas e fáceis de serem reaproveitados de forma decorativa.

No final de semana, separei alguns e resolvi pintá-los com verniz vitral Acrilex, que eu tinha comprado há muito tempo, na cor verde. Mas, ao invés de usar o pincel e coisa e tal, como já tinha tentado em outras veses e sido muito mal sucedida, resolvi jogar um pouco de tinta dentro dos potinhos e ir girando lentamente até que toda a superfícei tivesse sido preenchida, depois coloquei para escorrer de boca para baixo em cima daqueles bandejinhas de isopor para frios (mas cuidado! usei duas, uma em cima da outra, porque elas derretem com a tinta e podem manchar o que tem embaixo), até secarem completamente. Desta vez deu certo, não ficaram manchas, nem escorridos, nem marcas de pincel como já aconteceu. Tô até pensando em pintar outras coisas…

Bem, mas vamos ao resultado:
sem velas

com as velas

Ah, antes de usar agite bem o verniz, porque no primeiro que fiz (o maior), ficaram uns pontinhos de tinta mal diluída.

Quero fazer mais algmas em vermelho para decorar a casa no natal, mas estas verdes terão lugar especial depois das festas, em um espaço de lazer que estamos projetando no quintal. Vem novidades por aí…

Anúncios

Renovando a sala sem gastar um tostão

Como já disse aqui, às vezes tenho uns faniquitos e preciso mudar móveis de lugar, colocar um vaso, uma planta, alguma coisa que dê cara nova a um ambiente da casa.

Na última semana, resolvi dar fim a uma coisinha que me irritava muito – tomadas e fios aparecendo num canto da sala. A solução? Um vaso de cerâmica bem grandão, que estava abandonado no quintal ganhou umas demãos de tinta vermelha. Nele, foi plantando um bambu, que estava em um vaso feinho e posicionado no tal canto, disfarçou a feiúra.

o vaso – antes:

o vaso – depois:

Ficou legal e não gastei nada, já que até a tinta estava sobrando aqui. Pois é incrível como quem está reformando tem latas de tinta pela metade, não é mesmo? Aqui em casa, como adoramos uma cor, temos várias sobras de tintas. Minha ideia é usar todas elas, pra não estragar, afinal tinta não é nada barato.

Aproveitando o embalo, catei um quadro que estava “escondido” no escritório e pedi pra marido instalá-lo na sala. Troquei a rosa de MDF que já tinha me cansado, por ele. O quadro tem 1,50m x 80cm e foi pintado por uma amiga nossa. Ficou bom, não?

As flores de plástico não morrem…

… mas também não são tão bonitas quanto as naturais. Tá certo que flor não é algo barato, mas ter flores frescas em casa, dá um ar festivo incrível, né?

Pois então, se você gastou com as flores e quer economizar com os vasos, que tal usar vidros, copos, xícaras, jarras, latinhas e etc para exibir as lindinhas?

Eu até tenho vasos de vidro – os meus, ou são de louça branca ou de vidro transparente, como não tenho muitos, acho que estas são opções mais fáceis de serem combinadas, mas eu gosto mesmo de inventar, como as fotos aí debaixo:

Este copo de oncinha foi comprado na 25 de março por 5 reais, ele é bem grande e eu não consigo me imaginar bebendo mais de meio litro de nada, por isso, assim que bati os olhos nele, na loja, já o imaginava com flores:

a jarrinha coisamaisfofadomundo foi comprada em uma loja de 1,99, já a usei pra colocar garfinhos de pestiscos na mesa, pra servir molhos, mas acredito que ela tem o maior potencial pra servir como vasinho:

e o meu preferido, que eu até já mostrei no blog, vidro de azeite:

A coisa mais rara do mundo é alguma embalagem de vidro ser jogada fora aqui em casa, sempre que vou ao supermercado dou preferência às embalagens de vidro, que depois são usadas pra guardar temperos, conservas, grãos, biscoitos, balas e o que mais houver pra ser guardado. Já as garrafas de azeite, molhos, saquê, sucos e etc ficam ótimos com flores. E o planeta agradece…

Votem em mim!!

Gente, começou hoje e vai até o dia 8, a votação para escolher o cantinho mais bonitinho no blog Coisas da Maura e eu estou lá com um ambiente da minha cozinha e é claro, adoraria ganhar. Então, peço a todos que me visitam aqui que dêem uma passadinha lá e se acharem que eu mereço, votem em mim. Seria ótimo ganhar bem na semana do meu aniversário. Pra votar, clique aqui

A foto é esta aí embaixo e a estória do cantinho é a seguinte (já perceberam que todos os meus cantinhos têm estória? haha!):

“Esta é minha copa ou sala de almoço. Como gosto muito de cozinhar, principalmente doces, também gosto muito de ver a família reunida à mesa. Mas esta não é simplsmente uma copa, como minha idéia de decoração é sempre reciclar, reaproveitar e usar a minha criatividade, já que o dinheiro é curto, vou contar como ela surgiu:

a mesa eu comprei em um bazar de caridade por 15 reais, antes mesmo de comprar minha casa, ela ficou muito tempo no depósito no prédio onde morávamos, até que eu tivesse uma casa com cozinha grande onde ela pudesse ser usada. As cadeiras são da minha antiga sala de jantar, eram de mogno com assento beginho, sem graça e o móvel da parede era, na verdade, um barzinho – onde as canecas estão penduradas ficavam as taças. O que eu fiz? Pintei tudo de branco, troquei o assento das cadeiras (este já é o terceiro) e transformei o barzinho em um armarinho de louças de café. Os quadrinhos são de decoupage feitos por mim também, o centro de mesa é um retalho de chita e as frutas… bem, tem decoração mais bonita do que uma gamela de alumínio cheia de frutas coloridas e cheirosas?

Quanto eu gastei? Quase nada! E este é o lugar mais concorrido da casa, até a gata* adora cochilar em uma destas cadeiras. Sucesso total, com reaproveitamento e pouco dinheiro.

(mal dá pra ver, mas minha gata Sophia, está sentadinha nesta primeira cadeira, tá vendo um escurinho ali? é ela!)”

Um pufe improvisado

Sou louca por almofadas e por tudo que possa deixar a casa mais aconchegante, se der pra ter isso com reaproveitamento e gastando pouco, melhor ainda.

Por isso, sempre que pensava em jogar fora três blocos de espuma que estavam à toa lá em casa, achava que futuramente, poderia me arrepender, que dava pra aproveitá-los em alguma coisa. Dito e feito. Comprei dois metros de tecido – gorgurinho – por 4,90 reais o metro e pedi pra super dona Cida, minha costureira, que fizesse capas pras espumas, ela me cobrou 10 reais cada uma, com zíper, pra poder lavar sempre que precisar, ou seja, muitas vezes!

Coloquei um em cima do outro num cantinho da sala e pronto, ele faz as vezes de um pufe, já que no total, ficou com 60 cm de altura, o suficiente pra se sentar sem desconforto. Futuramente, eles irão pra um outro canto, mas como este ainda não está pronto, vão ficando por aí.

Eu até pensei em fazer umas amarrações, pra ficarem mais parecido com futtons, mas daí não poderia usar zíper, então desisti, mas ainda assim, gostei do resultado.

Minha máquina tá muito ruim e a foto foi tirada à noite, relevem, tá?

Antes e depois – quadrinho pro banheiro

Como eu disse no post passado, estou dando uma ajeitadinha no banheiro de casa. Na sexta, o box foi instalado e como não ficou nada barato, consumiu todo o orçamento destinado. Por isso, mesmo resolvi apostar mais uma vez no reaproveitamento e no “faça você mesmo”.

O quadrinho abaixo era de um antigo banheiro que tinha o fundo do mar como tema, mas nós nos mudamos, eu enjoei do quadro e ele ficou um tempão guardado. No final de semana, ele foi resgatado e transformado. Minha idéia é um banheiro mais ou menos provençal em tons de branco e azul, cores que já são usadas, mas agora com mais detalhezinhos: cortina, quadrinhos, cachepôs e por aí vai. Não vai ser nenhuma grande transformação, porque a grana curta não nos permite, mas vão rolar umas costurinhas, uma pátina na moldura do espelho etc, coisas que eu pretendo fazer no final de semana prolongado que está por vir.

Então, vamos às fotos:

Reduzir, reciclar e reutilizar

Essa tese dos 3Rs aqui em casa é praxe. Eu tenho uma dificuldade tremenda de jogar coisas fora, principalmente comida. Quando era criança, minha mãe sempre me dizia que não era pra jogar comida fora, que tinha muita criança sem ter o que comer etc e etc. Bem, eu assimilei a idéia e levo isso ao pé da letra. Tento de todas as formas fazer a quantidade de comida necessária pra não haver sobras, mas quando isso acontece, penso no que é possível pra reaproveitar as sobras e sempre que possível, congelo em potinhos plásticos o que sobrou pra que possa usar em outra receita e que pra que não corra o risco da comida estragar na geladeira.

Todas as sextas-feiras, dou uma vasculhada na geladeira atrás de alguma coisa que esteja vencendo ou em vias de, e na última sexta, encontrei um vidro com um terço de maionese que já estava ali há tempos e também tinha meio pacote de sopa de cebola quase vencendo. Diante disso, me lembrei que as sobras do último frango assado de TV de cachorro, tinham sido desfiadas e congeladas e garantiriam um recheio de torta. Dá pra adivinhar qual foi nosso jantar? E a sobremesa? Bem, assim que entrei na cozinha, ao voltar do trabalho, senti o cheiro forte de banana e alguns mosquitinhos (odeio!) já estavam sobrevoando as frutas. Como já tinha feito um bolo de banana na semana passada, fui atrás de uma outra receita pra não perder as frutas e achei uma de pudim. Arrisquei e aprovei – ficou uma delícia.

As fotos e as receitas estão aí embaixo. Mais uma vez, fiquei feliz por ter salvado algumas coisinhas de irem pro lixo, fiz economia e todo mundo ficou de barriguinha cheia. Bom, né?

Torta de Frango
2 ovos
1 xícara de maionese
2 colheres de (sopa) óleo
1 e ½ xícara de leite
½ pacote de sopa de cebola
2 e ½ xícara de farinha de trigo
Sal a gosto
1 colher (sopa) de fermento em pó

Bata todos os ingredientes no liquidificador, menos o fermento em pó, que deve ser misturado levemente à massa no final.

Recheio:
2 xícara de frango cozido e desfiado
2 ovos cozidos picados
½ xícara de ervilha
Meia cebola picada
1 dente de alho
Cheiro verde picado
1 tablete de caldo de galinha
Pimenta do reino a gosto
1 colher de (sopa) azeite

Faça um refogado com todos os ingredientes e espere esfriar para usar.
Em um refratário untado, coloque metade da massa, o recheio e o restante da massa por cima e leve ao forno por 45 minutos ou até dourar.

Pudim de Banana da Ana Toscano
12 bananas nanicas
2 ½ xícaras de rasas de açúcar
1 colher de sopa de manteiga
1 colher de sopa rasa de canela em pó
2 ovos inteiros
1 pitada de sal
5 colheres de sopa de açúcar para o caramelo

Caramele as 5 colheres de sopa de açúcar e espalhe em uma forma de pudim. No liquidificador bata todos os ingredientes. Despeje a massa na forma caramelada e leve ao forno em banho-maria por duas horas* ou até o pudim ficar escuro por cima. Desenforme frio e sirva gelado.
*No meu forno, assou em 40 minutos.